sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

10 top peças desta Design Miami/Basel


Experts apontam os seus destaques da feira 2013

As comunidades da arte e do design reúnem-se a partir do início da semana na cidade suíça da Basileia para dois dos eventos mais importantes do ano: a Art Basel e o Design Miami/Basel. O novíssimo pavilhão desenhado pelos mestres locais Jacques Herzog e Pierre de Meuron deve ficar repleto de colecionadores ávidos por expandirem os seus acervos. Antes do início do evento, a organização da feira de design-arte e edições limitadas convidou 10 respeitados profissionais da área para escolherem suas peças preferidas dentre as que serão expostas a partir do dia 11. Confira abaixo esse verdadeiro preview dos mestres.

Image and video hosting by TinyPic

1. Cadeira Growth, 2012, de Mathias Bengtsson, na Galerie Maria Wettergren

Murray Moss, diretor do Moss Bureau, aponta a cadeira Growth como destaque da feira. "A peça é talvez o mais ambicioso exemplo do uso do digital no design”, diz. “A semente digital em suas peças se desenvolve livremente no mundo real”.

Image and video hosting by TinyPic


2. Mesa Wood Fossil 01, 2012, de Nucleo, na Gabrielle Ammann // Gallery



"Quando criança eu costumava colecionar objetos de resina e mais tarde, quando estudei na Cooper Union, em Nova York, eu fazia meus modelos arquitetônicos em resina; hoje fico fascinado com o uso do material em larga escala no mobiliário”, diz o arquiteto alemão Jürgen Mayer. “O material é real, mas mente; tem caráter sentimental; passa a sensação de pertencer a um outro tempo, mas demanda cuidados modernos e extremo controle tecnológico em sua produção”, filosofa.



Image and video hosting by TinyPic

3. Cadeira Ribbon, 1966, de Pierre Paulin, na Jousse Entreprise

O designer de interiores Vicente Wolf escolheu a cadeira Ribbon, pois sempre admirou a sua fluidez. "Para mim, há na peça muito senso de humor; se parece quase com um rosto sorridente”, explica.

Image and video hosting by TinyPic

4. Writing Desk, 1953, de Finn Juhl, na Dansk Møbelkunst Gallery

“A mesa de Finn Juhl é constituída por diferentes elementos e materiais claramente perceptíveis – o tampo dobrável feito de jacarandá, a estrutura de metal e o gaveteiro suspenso”, descreve Hubertus Adam, diretor do S AM (Schweizerisches Architekturmuseum). “Assim, Juhl rompeu com a ideia de unidade material. A Writing Desk é menos orgânica que as peças do design dinamarquês produzidas no seu tempo; Ele teve sucesso na mistura das tendências dinamarquesas e internacionais. Para mim a Writing Desk é o exemplar mais convincente do design moderno”, completa.

Image and video hosting by TinyPic

5. Console & Mural, 1939, de Alberto Giacometti, na Galerie Jacques Lacoste

O designer de interiores Juan Montoya justifica sua escolha dizendo que “o trabalho de Giacometti com o mármore é inspirador, pois revela formas e modelagens possíveis com o material”. E poetiza: “Ele permite que a imaginação vá além daquilo que pode ser visto”.

Image and video hosting by TinyPic

6. Par de cadeiras, 1930, de Eileen Gray, na Galerie Anne-Sophie Duval

Janice Blackburn, curadora e jornalista, confessa que sua escolha talvez tenha sido influenciada por eventos externos. Ela visitou recentemente a mostra que apresentava uma retrospectiva da obra de Eileen Gray, no Centre Pompidou, em Paris. “Eileen era uma não conformista e uma professional do tipo ‘pau para toda obra’. Eu me deslumbrei com a sua criatividade”, elogia. Na sequência, Janice faz um a breve contextualização: “Ela foi uma dessas mulheres que se fizeram sozinhas e, assim, se infiltrou num mundo dominado pelos homens. As cadeiras, feias com tubos de aço dobrados e couro, têm um visual comedido, quase austero. Não há extravagância no seu design. Em vez disso, uma simplicidade geométrica que resiste à passagem do tempo”, justifica.

Image and video hosting by TinyPic

7. Block Containers, 2012, de Sylvain Willenz, na Victor Hunt Designart Dealer

A designer de interiores Alexandra Champalimaud é encantada pela simplicidade formal dos Block Containers. "As suas formas geométricas são modernas e as cores fortes alegram qualquer ambiente”, opina.

Image and video hosting by TinyPic

8. Maison des Jours Meilleurs, 1956, de Jean Prouvé, na na Galerie Patrick Seguin

Sam Keller, diretor da Fondation Beyeler, afirma: "Um favorito dentre meus favoritos é a ‘Maison des Jours Meilleurs’, de Jean Prouvé, na Seguin. Eu amo esta casa e ficaria feliz de me mudar para lá imediatamente. Afinal todos os dias vivendo ali prometem ser os meus jours meilleurs”.


Image and video hosting by TinyPic

9. Luminária 1050, 1951, de Gino Sarfatti, na Galleria O.

“A luminária 1050 parece uma constelação de objetos diferentes: a base estranhamente esculpida, o spot amarelo e o elemento rosa claro no topo. Estes itens felizes constituem juntos uma presença ambígua e irônica no ambiente”, diz a arquiteta Simona Malvezzi, do escritório Kühn Malvezzi. “É uma peça estática, mas ao mesmo tempo ela faz parecer que se moverá. Cria uma nova percepção espacial que oscila entre o equilíbrio e a instabilidade”, a arquiteta discorre. “Ao olhar a peça você questiona se há algo errado nela e não existe resposta a essa pergunta. Essa dúvida a faz perfeita”, finaliza enigmaticamente.

Image and video hosting by TinyPic

10. Mesa de centro Ironing Board, 1952, de Greta Magnusson Grossman, na R 20th Century

O designer de interiores Andre Fu, do escritório AFSO, que sempre se interessou pelos designs criados no século 20, escolheu a mesa de centro Ironing Board, de Greta Magnusson Grossman. “Eu gosto do fato de esta peça ter sido inspirada por um objeto utilitário do cotidiano”, explica. “Para mim é um item atemporal e poético – possui uma simplicidade e é genuinamente funcional.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário